COMO FOI O 1º FESTIVAL INTERNACIONAL DE HUMOR DO RIO DE JANEIRO


O 1º Festival Internacional de Humor do Rio de Janeiro foi consagrado como um dos maiores eventos em sua área e apresentou, de 22 de outubro a 23 de outubro de 2008, uma edição de enorme sucesso.


A programação oficial teve início em 22 de outubro, com a cerimônia de premiação e a inauguração das exposições, estendendo-se a 23 de novembro de 2008, com uma agenda envolvendo diversas formas de humor. Sua sede principal foi o Centro Cultural dos Correios, que abrigou, além das sete exposições, um imenso mural de Paulo Caruso narrando em desenho a chegada da Família

Real ao Brasil.


O Festival Internacional de Humor do Rio de Janeiro contemplou o humor gráfico, o humor teatral, o humor expresso por diversas maneiras. O evento , com Humor no nome e em sua própria essência, alcançou seu objetivo de divulgar a produção artística brasileira, e principalmente a carioca, baseada numa característica pelo qual este povo é conhecido em todo o mundo: o seu humor. O carioca é um gozador e o Festival de Humor mostrou como a vida, apesar de tudo, pode ser muito engraçada. E criativa.


O título do evento incorporou o adjetivo Internacional por ter como um de seus objetivos mostrar para o mundo, principalmente através do site e do catálogo do evento – um livro de arte com 200 páginas – um pouco da arte brasileira e do espírito humorístico mencionado acima.

Ao mesmo tempo, mostrou ao público brasileiro um pouco do que se está produzindo internacionalmente nessa área do humor. Em sua primeira edição, homenageou os mestres Angeli e

Laerte. O terceiro homenageado foi Luís Fernando Veríssimo, um gaúcho que transcendeu fronteiras, inclusive as existentes entre o humor impresso, desenhado, encenado e televisionado.


O Festival foi inaugurado em 12 de agosto de 2008 com o lançamento de seu site e dos seus dois concursos: o Premio Desenho de Imprensa e o Festival de Esquetes do Rio de Janeiro.

A sua principal novidade foi o Prêmio Desenho de Imprensa destinado a profissionais atuantes em jornais e revistas, com destaque para uma categoria inédita - a ilustração, e privilegiando também as categorias tradicionais da caricatura e do desenho de humor. Buscamos valorizar o desenho não somente através dessa divulgação como provocando os editores a abrirem mais espaços para esta arte.


Para marcar o lançamento desse concurso, convidamos uma exposição coletiva do maior concurso do gênero no mundo, o World Press Cartoon, com sede em Portugal, apresentando todas

as obras premiadas durante as suas edições anuais.


O Festival de Esquetes do Estado do Rio de Janeiro, que tanto sucesso obteve em suas duas primeiras edições, teve prosseguimento, integrando este evento. Os esquetes são uma forma de humor teatral tipicamente carioca. Seus espetáculos têm revelado uma nova geração de talentos com grande sucesso de público. Após uma seleção, os grupos finalistas foram julgado em apresentações abertas ao público no Teatro do Jockey.


O site divulgou as atividades do Festival para o público internauta em vários países, com notícias, entrevistas, inscrições virtuais. Mais uma inovação do Festival é o blog que acompanha o site, onde o público pode acompanhar diariamente os bastidores da produção do evento e os detalhes de sua programação Ampliou a participação dos artistas, com um espaço para opinarem a respeito do Festival e debaterem questões relativas à sua classe artística.


1.Introdução

No CCC, durante a primeira semana, Paulo reuniu-se com Chico Caruso e Aroeira para um espetáculo músico-satírico. O espaço Oi Futuro sediou a Semana Humor do Futuro, com apresentações dos melhores comediantes standup brasileiros: Leandro Hassum (RJ), Danilo Gentili (SP), Murilo Gun (Recife), Fernando Caruso (RJ) e Marcus Zenni (Curitiba); exposição Humor Mix com as 600 melhores imagens das exposições físicas e a Mostra “Jogo Rápido” com charges animadas de Chico Caruso e a Semana de Cinema Angeli, com filmes relacionados à obra do artista.


O Festival foi a oportunidade de se apreender, em um único evento, um panorama diversificado da produção humorística contemporânea no Brasil e em outros países e foi visitado por um público de cerca de 30 mil pessoas que compareceram à cerimônia de abertura oficial do Festival, às exposições, aos espetáculos de teatro e ao Festival Estadual de Esquetes de Humor. A presença de artistas, intelectuais, formadores de opinião, desenhistas de outros estados e países ao evento realizado confirmou já em sua primeira edição

o prestígio o prestígio do Festival Internacional de Humor do Rio de Janeiro.


A maciça cobertura de todos os canais de televisão e da imprensa carioca (capa dos principais jornais e destaque da Veja Rio) e de outros estados do Brasil ( clipping em anexo) atestaram o sucesso e o prestigio do Festival. O evento foi divulgado através de anúncio veiculado em todo o território nacional pela Tv Globo. O anúncio foi uma animação feita por Aida Queiroz e César Coelho, da Campo 4, responsáveis pelo Anima Mundi:


O Globo

O Dia

Veja Rio

Revista de Domingo - JB

Jornal do Commercio/RJ

Aida Queiroz e César Coelho

2. A Mídia do Festival

Em sua primeira edição, o 1º Festival Internacional de Humor consagrou-se como o grande

evento da área de humor. Todo esse prestígio pôde ser evidenciado na cobertura de imprensa, que

dedicou espaços nobres para o Festival.O Festival rendeu 225 matérias , em um total de 106 veículos, o equivalente a 36 páginas inteiras de uma publicação no formato standard..


A identificação com o Rio de Janeiro como a capital brasileira do humor, a atualidade e internacionalidade do Festival, o pioneirismo na realização de um Concurso Nacional de Desenho

de Imprensa e a revelação de novos talentos no teatro de humor através do Festival Estadual de

Esquetes foram os temas constantes da maioria das matérias.


“Todas as formas de humor” foi a manchete da matéria de capa do Segundo Caderno do jornal O Globo, que ressaltou que “o espírito bem-humorado do carioca foi o ponto de partida para a criação de um evento que reúne todas as formas de humor” e deu destaque para toda a programação do Festival com o título “Para rir de qualquer maneira” que aconteceu em 3 espaços diferentes: Centro Cultural Correios, Oi Futuro e Teatro do Jockey.


“Humor sem fronteiras” foi o título para a matéria de capa do Jornal O Dia. A Revista de Domingo, do Jornal do Brasil, deu matéria de capa para a nova safra talentosa de humoristas de teatro que se apresentavam no Festival, no Teatro do Oi futuro: “O Rio anda mais divertido desde a última quarta-feira, quando o 1º Festival Internacional de Humor estreou sua programação....Mas quem tem o riso frouxo e adora improvisação não pode perder outra atração: o show de humor Papo Furado, com Fernando Caruso, no Oi Futuro”.


A Veja Rio deu destaque na seção Veja Rio Recomenda: “1º Festival Internacional de Humor no Centro Cultural Correios: uma caprichada mostra apresenta um panorama de charges, quadrinhos e ilustrações de artistas brasileiros e estrangeiros” . Da mesma forma, o Diário do Nordeste

Notas e matérias ressaltaram a participação dos mestres nacionais e internacionais da charge e

do quadrinhos como Antonio do Jornal Expresso de Portugal, Sábat do jornal o Clarin,

O Globo, O Jornal do Brasil, O Dia, Jornal do Commercio foram os veículos que mais cederam

espaço ao Festivla, seguidos pelas publicações Correio Braziliense, Diário de Pernambuco, Diário Grande

AB e Gazeta, o que prova que o Festivla mereceu espaços bastante valorizados entre os principais

jornais do país.


As emissoras de televisão também realizaram uma boa cobertura, com 07 matérias no total de

05 emissoras, nos mais conceituados jornais e programas culturais como Bom Dia Rio, RJTV 1a edição

da Rede Globo; Jornal das Dez e Almanaque da Globo News; Jornal do Rio da Bandeirantes, RJ no

Ar da Record; Reporter Brasil da Tv Brasil.


3. Cerimônia de premiaçâo e abertura das exposições

A abertura oficial do 1º Festival Internacional de Humor aconteceu no Centro Cultural Correio,

dia 22 de outubro de 2008 às 20:00 horas, com a presença de artistas, cartunistas nacionais

e internacionais, e convidados, foram abertas as exposições de Angeli/Genial; Laerte/Real; Ver

Veríssimo; Prêmio Nacional de Desenho de Imprensa; Wolrd Press Cartoon

Logo após a abertura das exposições , Marcius Melhem e Leandro Hassum comandaram a

noite de premiação com a entrega dos troféus, uma escultura feita por Eduardo Andrade, para os vencedores

do Concurso Nacional de Desenho de Imprensa, que vieram de seus estados para recebê-los.













4. Exposiçôes

O 1º Festival Internacional de Humor realizou 7 (sete) exposições: Angeli/Genial; Laerte/Real; Ver

Veríssimo; Prêmio Nacional de Desenho de Imprensa; Wolrd Press Cartoon no Centro Cultural Correios;

Humor Mix e Mostra Jogo Rápido de Chico Caruso no Oi Futuro.


Centro Cultural Correios

4.1 Angeli /Genial

A exposição apresentou uma retrospectiva dos 35 anos de carreira do mais famoso desenhista

brasileiro de sua geração. Um criador prolífico, chargista, cartunista, ilustrador, quadrinhista, capista,

artista gráfico: a pesquisa para esta exposição contabilizou mais de 27 mil obras (e isto apenas entre os que

sobreviveram durante esse anos todos). Dossiê Rê Bordosa.

Além dos originais dos desenhos de Angeli foram expostos os bonecos e cenários utilizados para

o filme de animação “Dossiê Rê Bordosa”, de César Cabral, recém-premiado pelo júri popular do Anima

Mundi 2008. Os bonecos reproduzem os artistas Angeli e Laerte, além dos personagens mais famosos de



























4.2 Laerte / Real

A exposição apresentou uma retrospectiva dos 35 anos de carreira de Laerte, um dos mais conceituados desenhistas brasileiros.













4.3 Ver Verissimo

Veríssimo é um dos escritores mais lidos do Brasil. Autor de 72 livros e cronista de O Globo e

Estado de São Paulo. Além de roteirista de televisão, autor de teatro, etc. Poucos conhecem, porém, o seu lado desenhista, embora suas tiras vem sendo publicado em jornais como JB e revistas como

Isto É desde 1975. A exposição trouxe essa surpresa para o grande público: o humor e a ironia desenhados por Veríssimo.


A ambientação da exposição criou um espaço de leitura, onde o público pode se acomodar e ler alguns dos livros do artista.













4.4 Prêmio Nacional De Desenho De Imprensa

A exposição exibiu as obras finalistas do Prêmio Nacional de Desenho de Imprensa, destinado a artistas profissionais, e do qual participaram alguns dos principais ilustradores brasileiros.







4.5 World Press Cartoon

Para reforçar o lançamento no Brasil do Prêmio Desenho de Imprensa, importamos uma exposição organizada pelo maior concurso de Desenho de Imprensa do mundo, o World Press Cartoon, sediado em Portugal.


A exposição apresentou as obras premiadas em todas as edições do WPC, um panorama com os melhores ilustradores internacionais





Oi Futuro

4.6 Humor Mix – o Melhor do Festival Internacional de Humor do Rio

Exposição virtual com uma seleção das melhores obras apresentadas nas demais exposições do Festival - por Veríssimo, Laerte, Angeli e pelos artistas premiados nos concursos de imprensa brasileiro e internacional -, além de tiras, charges e cartuns do acervo de Angeli e de Laerte.





4.7 Mostra de Charges Animadas: Jogo Rápido/ Chico Caruso

Exibição das charges animadas de Chico Caruso veiculadas na TV Globo




5. Espetáculos Teatrais

No dia 23 de novembro estreou o show de Chico e Paulo Caruso, com o Conjunto Nacional e participação de especial de Aroeira: “BRASIL 2008: TSUNAMI NÃO É BISCOITO ”, que ficou em cartaz até o dia 25 de novembro no teatro do Centro Cultural Correios.


De 11 a 16 de novembro no teatro do Oi Futuro apresentação de shows de humor com os melhores comediantes stand-up brasileiros: Leandro Hassum (RJ), Danilo Gentili (SP), Murilo Gun (Recife),

Fernando Caruso (RJ) e Marcus Zenni (Curitiba), cujos vídeos de humor no You Tube já foram vistos

por mais de um milhão e meio de pessoas.


Centro Cultural Correios - espetáculo músico teatral com Chico e Paulo Caruso


Paulo Caruso e Chico Caruso


Chico Caruso, Fernanda Montenegro e Paulo Caruso


Oi Futuro - Mostra de Stand Up


Danilo Gentili Leandro Hassum Murilo Gun








Fernando Caruso Marcus Zenni



6. Festival Estadual De Esquetes De Humor


Juri de Premiação








O Festival Estadual de Esquetes de Humor , coordenado por Lincoln Vargas e Cacau Berredo, recebeu 145 inscrições, das quais foram pré-selecionados 64 esquetes, de onde saíram os 20 finalistas que disputaram os prêmios de melhor esquete, direção, texto, atriz e ator. Além do prêmio júri popular para o melhor esquete.

Os finalistas apresentaram-se ao público no Teatro do Jockey, nos dias 16 e 17 de novembro de 2008, quando o júri composto por Andreia Fernandes, Fernando Ceylão, Lourival Prudêncio,

Cacá Mourthé, Aloisio Abreu e Zé Alex e a votação popular atribuíram seis prêmios.


Os premiados receberam o troféu Oscarito no dia 23 de novembro de 2008, quando se encerrou o 1º Festival Internacional de Humor do Rio de Janeiro. A noite de premiação tornou-se uma grande festa do Teatro e o esquete Musical Disney de Leandro Muniz foi o grande vencedor da noite ao receber três prêmios: melhor esquete do júri profissional, melhor esquete do júri popular e melhor direção para Leandro Muniz.


Os prêmios de melhor texto foram para Sidney Oliveira por Mundo Karã; de melhor ator para Adriano Martins em Incontratos e demelhor atriz para Talita Werneck em Presença de Santiago.

O Troféu Oscarito é uma escultura de Eduardo Andrade a partir de desenho feito por Ziraldo


7. Prêmio Nacional de Desenho de Imprensa

O Concurso Nacional de Desenho de Imprensa recebeu obras vindas de vários estados brasileiros: São Paulo: Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Distrito Federal, Pernambuco, Paraná, Bahia, Pará, Santa Catarina, Ceará, Rio Grande do Norte e Acre.


Participaram do concurso profissionais que publicaram caricaturas, ilustrações e desenhos de humor em veículos de imprensa brasileiros, no período de julho de 2007 a julho de 2008. Ao contrário dos concursos habituais nos salões de humor brasileiros, que buscam divulgar os novos talentos, o Prêmio Desenho de Imprensa voltou-se para os profissionais atuando com destaque em jornais

e revistas. Uma inovação deste concurso: além das categorias tradicionais de caricatura, charge e cartum, ele apresenta uma nova categoria que é a ilustração. Com isto, o concurso abrange também os artistas gráficos que não lidam diretamente com a linguagem do humor e portanto não participam habitualmente dos salões.



O Juri Oficial, composto por Claudio Prudente (O Globo), Jaguar (O Dia), Plinio Fraga (Folha de São Paulo), Sérgio Augusto (Estado de São Paulo), Rafael Cardoso e Renato Alarcão, selecionou primeiramente 60 trabalhos que integraram o catálogo e a exposição e entre esses escolheu os premiados.


O troféu foi uma escultura feita pelo artista Eduardo Andrade, a partir do desenho de Marcelo Monteiro.

A seguir os premiados.


Categoria: Desenho De Humor


Primeiro Lugar: Bruno Drummond – “Gente Fina” (O Globo)


Segundo Lugar: Jean – “Cuba” (Folha de São Paulo)


Terceiro lugar: Greg – “Vingança do Diabo” (Diário de Pernambuco)


Categoria Caricatura


Primeiro Lugar: Hippert – “Ronaldo Fenômeno” (O Dia)


Segundo Lugar: Cavalcante – “João Ubaldo e Jorge Amado”(O Globo)


Terceiro Lugar: Cau Gomez – “Chavez” (Veja)




Categoria Ilustração


Primeiro Lugar ( empate): FC Lopes – “O Livro do Medo” (Correio Braziliense)


Primeiro Lugar (empate): Carlus – “História sem muitas palavras” (O Povo)


Terceiro Lugar: Tulio Carapiá – “Abaixo a Bastilha” (A Tarde)


Desenvolvido por André Thiago Netto - andrethiagonetto@gmail.com